Ads Top

Mudança e organização

         
Crédito de Imagem: Intenet

 Transformar dados em informação precisamos de ferramentas que vasculhem e organizem 



Precisamos agrupar,identificar padrões,efetuar cálculos.Mas para transformar informação em conhecimento,precisamos de tempo. A reflexão que leva à compreensão exige tempos de maturação. 


           A questão da velocidade das mudanças trás embutida a questão da percepção dessa velocidade. Quando uma sucessão de fatos ocorrem sem que compreendemos sua natureza, suas causas e consequências, temos a impressão de uma velocidade muito maior. Quando encontramos padrões de comportamentos e explicações lógicas para os fatos, podem encará-los via relações de causa e efeito, e às vezes nos darmos até ao luxo da previsibilidade.

            A tecnologia da informação e da comunicação expõe as pessoas hoje, através de diversas mídias, a uma avalanche de dados e informações. Somos inundados de fatos novos, todos os dias, pelos telejornais vespertinos, por exemplo. Mas a maioria das pessoas não consegue articular relações inteligentes de causa-efeito durante o curto espaço de tempo dos intervalos comerciais da TV...

          A percepção da velocidade das mudanças se acelera se ao ritmo das próprias mudanças, é claro, que é vertiginoso em todo o mundo. Mas essa percepção também é acelerada pela forma como as informações circulam. A simultaneidade entre acontecimento e notícia, propiciada pelos novos meios de comunicação, é  crucial para essa percepção de velocidade.

           Uma consequência disso é que nos aproximamos de níveis desatração nunca antes vivenciados. Incapazes de refletir sobre a torrente de informações que nos chegam, pela exiguidade do tempo disponíveis para isso entre uma notícia e a seguinte, temos cada vez mais dificuldade para consolidar conhecimentos. E assim nossa capacidade de julgamento vive ao sabor dos "SUSTOS"entregues cada vez mais rápido pela mídia.

       Muito tem sido dito em administração sobre a capacidade de adaptação como vantagem competitiva para as organizações e também para os indivíduos. Na perspectiva de KUNDERA, talvez devemos entender que essa capacidade é menos a agilidade para aderir às novas práticas,e ais a profundidade da reflexão sobre a natureza das mudanças em curso.Trata-se de entender antes de aderir.Assim, essa perspectivas inverte  a costumeira abordagem "eficiente" do uso do tempo.

            VISÃO ESTRATÉGIA

           Charles Handy,em "TEMPO DE MUDANÇAS"(Saraiva,SP,1996),nos lembra que "o futuro não é inevitável... Podemos influenciá-lo se soubermos o que queremos dele."Essa mensagem, mais do que alento para tempos turbulentos, é um alerta para a importância da visão estratégica.

         Os administradores têm sido desafiados a desvendar os mistério dos ambiente em que suas organização se inserem, identificando oportunidades e ameaças, e definindo novos rumos para suas empresas. Em muito sentidos, a idéia de visão estratégia tem sido associada com a de vantagem competitiva,essencialmente em uma abordagem adaptativa. Muda o ambiente, muda a organização. Melhor ainda se pudermos antever as mudanças do ambiente, pró-ativamente. Melhor ainda se pudermos induzir às mudanças no ambiente favoravelmente.

        O problema crucial que se agudiza neste começo de século é o ciclo de percepção-adaptação. Está ficando espremido em janelas de tempo cada vez menores. O que antes se fazia em gerações, passou a ser feito em anos, e agora em meses. A visão estratégica passa a ser permanentemente atualizada,cada vez mais rápido, com menos tempo para a reflexão e amadurecimento. E,muitas vezes,na corrida contra o relógio perdermos  nossa bússola, esquecemos porque, em primeiro lugar, entramos nessa corrida.

AS PESSOAS NAS EMPRESAS COMPETITIVAS

      A administração,em geral, e a Gestão de Recursos Humano, em particular, têm sido desafiadas a repensar o papel das pessoas nas empresas competitivas. O ser humano-revalorizado em todas as suas dimensões-está sendo conduzido ao centro do palco.Em todos os níveis da organização fala-se no novo papel das pessoas. O talentos individual e a capacidade de desenvolvimento em equipe são indicados como cruciais para a vantagem competitiva da empresa.

       Apesar de tudo,mudamos para competir uns com os outros,e não na busca de um mundo melhor. A torrente de mudanças não é planejada,não é orientada por princípios éticos de uma visão de mundo compartilhada. A velocidade e principalmente,a direção das mudanças são condicionada pela competição imediatista entre  interesse alheios à compreensão  e ao controle dos indivíduos.

        Assim, talvez a verdadeira questão não seja como aproveitar melhor o tempo no sentido utilitário das novas tecnologia da informação e da comunicação. Talvez o interesse seja recuperar o controle sobre essa impermanência do tempo moderno,adequando seu ritmo, redescobrindo o espaço da reflexão e da ociosidade.
Talvez a verdadeira conquista não esteja na organização dos empreendimento,e da vida, para a eficiência do uso do tempo,mas sim para sua fruição.



        JAYME TEIXEIRA FILHO é professor da fundação GETÚLIO VARGAS, autor do livro gerenciando conhecimento (Editora Senac Rio 2000) foi também presidente da sociedade brasileira de gestão do conhecimento.

Boa Leitura!
CURTA, COMENTE, COMPARTILHE...
Share
Deseja receber mais conteúdo do autor. Preencha o campo com seu nome e-mail. Deixa sua sugestão ou comentário.
foxyform
Tecnologia do Blogger.